O principal fator que garante a funcionalidade do sistema peer-to-peer (ponto a ponto) e a descentralização das criptomoedas é a mineração, prática realizada pelos próprios usuários da rede, sem a intervenção de autoridades ou instituições centrais. A mineração também serve como um processo de validação que garante a funcionalidade da blockchain. Por isso que os mineradores podem ser resumidos como “voluntários”, que deixam seus computadores (ou servidores inteiros) ligados dia e noite, fornecendo poder computacional à rede, possibilitando a confirmação de novas transações na blockchain. Mais tarde, após os dados serem confirmados e certificados, tais mineradores são recompensados de forma proporcional ao seu trabalho investido.